O choro: entendendo e acalmando o bebê recém nascido

bebes

A primeira forma de expressão do bebê recém nascido é o choro. É assim que ele mostra estar com fome, sono, dor, frio, calor ou qualquer desconforto. Às vezes a gente tenta de tudo e o bebê não para de chorar. A gente o vira do avesso pra descobrir no fim das contas que tinha uma linha desfiada da meia enrolada no dedinho do pé… E depois de retirar ele para de chorar… Aos poucos a gente vai aprendendo a entender o que nosso filho quer nos dizer.

Você sabia que bebês só sabem o que é birra depois dos 12 meses? Choro = desconforto! Se um bebê para de chorar é porque ou suas necessidades foram atendidas ou então ele aprendeu que não vai adiantar mais chorar e desistiu de tentar. Para alguns, atender um bebê que chora pode ser considerado uma forma de “estragar” o bebê, de torná-lo manhoso, manipulador. Mas se pensarmos no choro como desconforto, deixar de atendê-lo passa a ter o peso do abandono. É o que os especialistas chamam de “desamparo aprendido”, que pode levar a consequências psicológicas, como sensação de tristeza e desistência e consequências físicas, como o hipertermia, pelo risco deixar o bebê chorando por superaquecimento sem perceber, por exemplo.

Ao acalmarmos bebê estamos construindo vínculos. Estudos demonstram que a fala e o toque são importantes ferramentas de auxílio na regulação fisiológica dos ciclos de sono e vigília, no controle da frequência cardíaca e respiratória. Mas eles vão muito além… até a esfera emocional.

Devemos sim ensinar nossos filhos a ter auto-controle. Mas em que momento estarão aptos a esse aprendizado? Controlar emoções é uma tarefa difícil e, ao forçarmos que os bebês aprendam isso muito cedo, além de simplesmente não conseguirmos ensinar, podemos estar dificultando ou mesmo impedindo que aprendam apropriadamente no futuro.

Fonte: texto “Educando ‘Especialistas’: O Choro” de Tracy Cassels,  autora de evolutionaryparenting.com, psicóloga com bacharelado em Ciências Cognitivas. Recomendo muito a leitura.

“Chorar é a única forma de controle que um bebê tem e seu choro deve ser tratado com o respeito nós mostraríamos a outro adulto numa conversa sobre o que eles necessitam.”

Dunstan

A musicista australiana Priscilla Dunstan parece ter descodificado o choro dos bebês através da sua memória fotográfica para os sons. Segundo ela há 5 tipos de choro válidos para bebês de 0 a 3 meses:

Choro nº1: Neh = “tenho fome” – É o reflexo da sucção combinado com o choro, formando o som “Neh”.

Choro nº2: “Owh” = “tenho sono” – Este som é baseado no reflexo de bocejar e este “Owh” pode ser longo e pronunciado.

Choro nº3: Heh = “sinto desconforto” – Se ouvir este som no seu recém-nascido é porque provavelmente ele necessita que lhe mude a fralda, ou que o coloque em outra posição – pode ter deitado em cima do bracinho ou estar simplesmente cansado de ficar na mesma posição.

Choro nº4: Eairh = “estou com gases” – Quando a dor é provocada pelos gases, os bebês costumam puxar as perninhas para o peito e fazer o som “Eairh”. Fazer uma massagem suave na barriguinha no sentido dos ponteiros do relógio poderá ajudar a aliviar a pressão. Deitar o bebê com a barriga apoiada em cima do seu antebraço com as pernas pendentes e passar as mãos nas costas também poderá ajudar.

Choro nº5: Eh = “quero arrotar” – Esse choro é normalmente curto e repetitivo: “eh”, “eh”, “eh”. Se ouvir este som, coloque o seu bebê de barriga virada para o seu peito com a cabeça no seu ombro e gentilmente massageie suas costas.
Dunstan Language

sem-titulo

Não encontrei o DVD e o livro em português.
Para saber mais veja o vídeo do programa da GNT Mãe e Cia sobre o assunto.
Bacana também a entrevista da australiana na Oprah no Youtube.
Site oficial: DunstanBaby.

Charutinho

O charutinho é uma forma de empacotar o recém nascido que quase sempre o deixa bem mais tranquilo. Parece que deixá-lo em uma posição semelhante à que ficava na barriga da mãe o ajuda a conseguir se acalmar. Além disso até o três meses mais ou menos está ainda exacerbado o reflexo de Moro. É um ato involuntário que leva o bebê recém nascido a abrir os braços e em geral chorar em sequência. O enrolar na manta ajuda a evitar que ele se agite muito e acorde no meio do sono. Com o tempo vamos observando que o bebê deixa de gostar de ficar ensopadinho e passa a querer ficar mais livre para explorar o ambiente com as mãozinhas e pezinhos.

Charutinho

Existem cueiros importados que possuem velcro e facilitam muito nessa hora. Chamam-se Swaddle.

swaddleme-original-cueiro-ou-charutinho-para-beb-937801-mlb20409176648_092015-f
Swaddle – Comprar em: MercadoLivre

Técnicas

Muito bacana é a sequência do Dr Harvey Karp para acalmar o bebê, pediatra americano autor do livro “O bebê mais feliz do pedaço”:

  • Enrole o bebê (charuttinho)
  • Dê a ele algo para sugar
  • Faça um som repetitivo tipo “shhhhhhh”
  • Coloque o bebê no colo de lado com o corpo apoiado nos sus braços e a cabeça entre sua mãos e mova para um lado e para outro em um ritmo rápido mas delicado.

    Dr Harvey Karp
    Assistir Vídeo: Youtube

Conheci na internet um outro vídeo que acabou ficando famoso de um pediatra Dr. Robert Hamilton ensinando sua técnica que ajuda a fazer o bebê se acalmar. Polêmico, muitos questionaram se ela, ao ser mal aplicada, poderia lesionar o bebê. Não tive a oportunidade de testar…

Dr. Robert Hamilton
Assistir Vídeo: Youtube

OBS: Essas são todas técnicas para recém nascidos. Bebês maiores param de chorar de outras formas. Quando ouvem um barulho, um espirro, uma música, um brinquedo luminoso, quando distraídos e retirados do ambiente em que estavam, por exemplo.