Cadeirinhas para carro

bebes criancas
Cosco Moove – a cadeirinha 5 estrelas

No Brasil, o trânsito é a principal causa de morte acidental de crianças e adolescentes com idade de zero a 14 anos, chegando a quase 40% do total de mortes. Milhares de crianças são anualmente hospitalizadas em decorrência dos acidentes de trânsito.

Segundo estudo americano, 1 em cada 4 pais já levaram seus filhos no carro sem a devida segurança, usando desculpas como “fui a um lugar perto” ou “estava com pressa”.

No entanto, cerca de 60% dos acidentes ocorrem próximos à residência do acidentado.

Segurar a criança no colo sem cinto não a protege de acidentes. Em um acidente a 50km/h, uma criança de 10kg passa a ter o equivalente a 500kg ao ser lançada para frente com a freada brusca. Ou seja, você jamais será capaz de segurá-la.

A cadeirinha é o único meio seguro de transportar uma criança no carro.

Recentemente o Proteste anunciou a primeira cadeirinha para bebê aprovada com louvor em todos os testes realizados: a cadeirinha Cosco Moove.

Tipos de assento

cadeirinhas

(1) BEBÊ-CONFORTO: para uso do nascimento até cerca de 1 ano de idade ou limite de peso do fabricante (9-13Kg). O ideal é usar até o limite de peso permitido. Como usar:

  • Virado para trás: essa é a forma correta de usar sempre, de costas para o painel do veículo.
  • Com cinto de três pontas e preferencialmente no meio do banco de trás: confere maior proteção maior em caso de colisão lateral. Como a maioria dos carros não tem cinto de três pontas no centro, fica recomendada a colocação no lado contrário ao banco do motorista (atrás do passageiro).
  • Travel system: alguns modelos de bebê-conforto podem ser usados tanto no carro quanto acoplados no carrinho do bebê, o que pode ser muito útil por exemplo quando o bebê está dormindo.
  • Base: presente em alguns modelos, é boa por uma questão de praticidade. Fica fixada no assento com cinto de segurança, permanecendo o tempo todo no veículo. O bebê-conforto pode ser desencaixado com facilidade e retirado do carro sem precisar manusear o cinto.
  • Cuidado com roupas grossas ou acolchoadas: se o cinto for ajustado com elas, deixará um espaço extra e as consequências, em caso de colisão, podem ser dramáticas de acordo com testes realizados nos EUA. Se necessário coloque uma manta sobre a cadeirinha e o cinto.
  • Bem ajustado: cinto justo ao corpo (veja abaixo teste da pinça) e com clipe peitoral na altura correta (e não na altura da barriga). teste

(2) CADEIRINHA/POLTRONA: para uso até 18-36Kg, dependendo do fabricante. Muitas são as opções disponíveis no mercado. Há modelos que reclinam o encosto e alguns são “reversíveis”, podendo ser usados de costas para o painel ou de frente quando a criança for maior. Alguns vêm com redutores que possibilitam o uso por bebês recém-nascidos. Como usar:

  • Virado pra trás o máximo de tempo possível: até o limite de peso de cada modelo. A recomendação da Sociedade Brasileira de Pediatria e da Academia Americana de Pediatria é de que ela permaneça virada para trás até os 2 anos ou até o limite de peso da cadeira. A criança virada para trás tem 75% menos chance de morte ou lesões graves em caso de acidentes.
  • Cuidado com roupas grossas ou acolchoadas: vale o mesmo conceito usado no bebê-conforto. Se necessário, coloque uma manta sobre a cadeirinha e o cinto.
  • Bem ajustado: algumas cadeirinhas não têm o clipe peitoral. Nesse caso, eles devem ser adquiridos separadamente. São imprescindíveis porque mantém o cinto bem ajustado e impedem que a criança tire o braço de dentro do cinto.

    clipe
    Clipe peitoral – Comprar em: MercadoLivre

(3)  ASSENTO DE ELEVAÇÃO (“BOOSTER”): para uso a partir de 4 anos ou 18 kg e até 7,5 anos ou 36kg. Não deve ser usado se a criança tem menos de 1,15m devido à altura do cinto. Alguns modelos com encosto contam com ajuste do cinto e permitem uso a partir de 1,0m de altura. Assento que eleva a altura da criança de forma que ela utilize o cinto do próprio carro.

O uso do booster reduz 45% o risco de lesões graves quando comparado ao uso do cinto sem booster. Estudos mostram que o risco de lesão em crianças com idades entre 4-12 anos é maior que o das crianças menores. Elas têm maior risco de lesão abdominal pelo cinto de segurança, lesões da coluna vertebral e da face. A provável causa é a menor preocupação dos pais com o uso adequado da cadeirinha. Fica recomendado o uso do booster pelo máximo de tempo permitido pelo fabricante.

Como usar:

  •  Com cinto de 3 pontos: não usar com cinto abdominal. No assento do meio, com cinto abdominal, não deve ser usado booster.
  • Bem ajustado: para um uso seguro o cinto não pode ser posicionado sobre o pescoço nem sobre o abdome, mas sim na parte central dos ombros e sobre o quadril. Quando a criança é pequena o cinto pode acabar ficando posicionado sobre o pescoço e, para tornar mais confortável, a criança acaba puxando o cinto pra baixo do braço. Uma cadeirinha/poltrona ou um booster com encosto e guia posicionador do cinto podem resolver o problema. O uso correto do equipamento é imprescindível para a segurança da criança.uso-correto-do-cinto
  • Cuidado com roupas grossas ou acolchoadas: segue a mesma recomendação do bebê-conforto e cadeirinha.
  • Preferencialmente com encosto: vários modelos vêm com um encosto que é removível, mas ao remover o encosto eles perdem a proteção para colisão lateral. Perceba nesse vídeo a diferença entre colisão com e sem encosto:
video
Vídeo: Youtube

(4) Sem assento: a partir de 7,5 ou 8 anos, no momento em que atingir 1,45m de altura, a criança já pode usar o cinto sem a necessidade de booster.

Legislação Brasileira

A Lei das cadeirinhas obriga ao uso no carro desde o ano de 2010.cadeirinha

OBS: o valor atual da multa é R$293,47.

Peculiaridades:

  • A partir de 10 anos de idade a criança pode se sentar no banco da frente do carro.
  • Se houver mais de três crianças abaixo de 10 anos no carro, a mais alta pode ir no banco da frente com o dispositivo de retenção adequado (cadeirinha ou booster, conforme for recomendado).
  • O mesmo se aplica a carros que não tenham banco traseiro ou em que não seja possível instalar cadeirinhas.

Classificação Internacional

Como nem todas as crianças tem o mesmo biotipo, os padrões internacionais de classificação dividem as crianças por peso:

  • classe 0, para bebês de 0 a 10 kg (até 9 meses)
  • classe 0+, para crianças até 13 kg (até 12 meses)
  • classe 1, para crianças de 11 a 18 kg (de 1 a 3 anos)
  • classe 2, para crianças de 15 a 25 kg (de 2,5 a 5 anos)
  • classe 3, para crianças de 22 a 36 kg, (de 4 a 7,5 anos)

Nos modelos importados e na maioria dos nacionais essa classificação vem escrita na cadeirinha, facilitando a escolha por um modelo adequado ao biotipo da criança.

Sistemas de engate Isofix e Latch

isofix-e-latchSão padrões semelhantes de fixação, mais fáceis de instalar que o cinto do carro, reduzindo a chance do uso incorreto. Prometem reduzir os traumas associados a acidentes. As cadeirinhas com esses sistema custam, no entanto, pelo menos duas vezes mais que as que usam o cinto do carro para fixação.

Enquanto o Latch é um sistema americano que usa cintas ou faixas, o Isofix é um novo padrão de fixação inicialmente europeu, que está sendo adotado por fabricantes de veículos em vários países. No Brasil os carros novos deverão vir obrigatoriamente com o sistema de Isofix de engate a partir de 2018. Veículos importados poderão usar o sistema Latch.

Ambos podem ser complementados com uma fixação adicional superior com função anti-rotação (Top Tether).

Por enquanto as cadeirinhas com Isofix à venda no Brasil custam uma fortuna (maioria em torno de 2 mil reais) e são bastante difíceis de encontrar.

Polêmica: Não parece muito definido se o Isofix realmente reduz os traumas quando comparado ao cinto de segurança. Encontrei estudos comparativos, americanos e europeus, que não viram benefício no uso do Isofix no impacto frontal. Isso porque, em caso de acidente, parte da energia é absorvida pelo cinto, que tem suas fibras levemente distendidas. O Isofix é mais rígido e o impacto é mais transmitido para o assento e a criança. Seu benefício seria maior no caso do impacto lateral (nesse quesito o Isofix parece ser ainda superior ao Latch). Veja estudos aqui e aqui.

Modelos Nacionais

O INMETRO é um instituto federal responsável por fiscalizar a segurança das cadeirinhas. Ele confere um selo para aquelas que são aprovadas nos testes, no entanto testes de colisão lateral não fazem parte da avaliação deste órgão.

A Proteste é uma organização civil sem fins lucrativos que representa a maior organização de defesa do consumidor da América Latina. Ela realiza testes independentes praticamente anuais de algumas cadeirinhas com selo do INMETRO. Avalia quesitos como manual de instruções, facilidade de instalação, teste de colisão frontal e lateral. Veja todos os testes site do Proteste. Segue tabela com todos os modelos avaliados:

No primeiro teste realizado em  2011 a Proteste avaliou o bebê-conforto em diferentes marcas de carro popular, procurando saber se havia uma marca mais compatível com cada veículo. Observou-se que há realmente uma maior compatibilidade com uma marca, sem no entanto invalidar as outras no quesito de segurança. A única excessão foi o Ford Ka, que se mostrou incompatível com quase todos os modelos na época da análise.

De 2012 a 2015 vários testes foram realizados com modelos de bebê-conforto e cadeirinhas. Boosters nunca foram avaliados.

Algumas marcas foram avaliadas mais de uma vez. É o caso do Chicco Key Fit, que manteve sua boa avaliação em 2015. Marcas conhecidas, como a Peg Perego foram avaliadas negativamente em todos os testes. Os bebês conforto Burigotto Turing Evolution e Lenox Caracol foram mal avaliados em 2016 porque permitiram contato da cabeça do bebê com a porta do carro.

Os testes de colisão lateral raramente foram bons, com exceção, pela primeira vez, do Prime Baby Journey e do Cosco Moove. A Cosco Moove é a primeira cadeirinha 5 estrelas da América Latina, com ótimo desempenho nos testes de impacto frontal e lateral. 

Em 2013 foi avaliada a cadeirinha de 9 a 18 Kg Britax Roemer Duo Pluss TT com Isofix. Ela não consta na tabela porque não está presente no mercado brasileiro. Ela apresentou resultado superior às demais e foi testada para demonstrar a eficiência do sistema Isofix, que visa melhorar não só a performance dos testes de colisão frontal, como também nos de colisão lateral.

Todas as cadeirinhas avaliadas de 0-18Kg, 0-25Kg tiveram desempenho ruim nos testes de impacto frontal, inclusive a muito usada Burigotto Matrix Evolution, Safety 1st e Cosco. Segundo os testes, elas permitiram grande deslocamento da cabeçada criança.

Modelos Importados

O órgão americano responsável por testar as cadeirinhas é o NHTSA (National Highway Traffic Administration). Veja no site da NHTSA a lista de modelos avaliados e considerados seguros para uso. Todos os listados foram considerados seguros (as estrelinhas da tabela se referem à facilidade do uso).

Vale lembrar que as cadeirinhas americanas usam o sistema Latch e foram testadas com essa fixação no carro, em testes de colisão frontal e lateral. No entanto a tabela pode servir como guia para quem for fixar a cadeirinha com o cinto do carro.

A cadeirinha para carro mais procurada pelos americanos é a NextFit Zip, da Chicco, para crianças de 2 a 30 kg.

Seguem alguns modelos frequentemente usados:

Para os maiores (15-36Kg), há vários modelos de booster como o Graco LX Comfort, que não foi avaliado pelo Proteste mas encontrei sendo vendido no Brasil. São modelos com guia intuitivo para posicionar corretamente o cinto e reforço para proteger de colisão lateral.

cadeira-para-auto-logico-lx-comfort-lion-graco-4875214
Graco LX Comfort Lion

Modelos preferidos pelos europeus podem ser vistos em: Made For Mums (0-9Kg), Made For Mums (>9Kg), Independent. Mas nem todos possuem sistema de fixação Isofix.

Alguns modelos vêm com um “pé” para apoio no chão do carro e pode ser usado com a cadeirinha fica voltada pra frente ou para trás. Como por exemplo o modelo abaixo.

maxi-cosi-2way-pearl
Maxi Cosi 2Way Pearl – Vídeo: Youtube

Para quem quiser usar o Isofix

No Brasil ainda não são fabricados modelos com Isofix. Algumas concessionárias estão anunciando cadeirinhas de marca própria com preços que não valem nem a pena comentar (algo como 5-6 mil reais). Esperamos que isso mude em breve…

Pesquisando na Amazon americana encontrei quase nenhuma cadeirinha e com preços muito elevados. Como dito acima, o sistema usado por eles é o Latch.

Pesquisando na Amazon.uk, encontrei preços mais baixos e variedade maior. Alguns vendedores entregam nos EUA, o que pode ser interessante pra quem for viajar e quiser comprar. No site de compras britânico Kiddicare encontrei preços que varia de 35 a 550 libras.

As marcas mais comuns que usam o sistema Isofix são a Britax e Max-Cosi. Chicco, Peg Perego, Graco e outros não vendem ou têm poucos modelos com esse tipo de fixação.