Sabonetes infantis, óleos e hidratantes para a pele do bebê

bebes

Um estudo mostrou que em média oito produtos diferentes são em geral aplicados na pele do bebê no primeiro mês de vida – entre eles os sabonetes, óleos e hidratantes. Muitos produtos aplicados na pele de recém-nascidos não foram desenvolvidos para esta faixa etária. Alguns desses produtos podem aumentar os riscos de alergias e infecções. Há casos relatados, inclusive, de infecções generalizadas decorrentes de cremes sem conservantes adequados.

Funções da pele

A pele é o maior órgão do corpo humano e suas principais funções são: barreira, proteção física e imunológica, regulação da temperatura corporal, percepção de calor/frio/dor/tato, secreção de substâncias e de precursores de vitamina D. O principal motivo pelo qual devemos cuidar bem da nossa pele é justamente a necessidade de mantê-la íntegra para que ela possa exercer plenamente suas funções.

Barreira: é a função mais importante, exercida pela camada mais externa da pele, a camada córnea. São funções de barreira: prevenir a desidratação, impedir a penetração de agentes tóxicos e corrosivos, minimizar a invasão de microorganismos.

Manutenção da temperatura corporal: função realizada pela camada de gordura da pele e pelo suor produzido pelas glândulas sudoríparas.

As glândulas sudoríparas vão amadurecendo aos poucos após o nascimento, primeiramente na face, depois no tórax, axilas e por último extremidades. Quando está quente, baixamos a temperatura corporal perdendo calor pela evaporação do suor. Recém-nascidos têm menor capacidade desse tipo de regulação, estando sob risco de hipertermia (aumento da temperatura corporal) em ambientes muito quentes e quando estão com muitas camadas de roupa.

Já a gordura da pele funciona como um isolante e serve para impedir grandes perdas de calor, o que ocorre quando estamos em ambientes frios.

Evitar a perda de água: função realizada pelo sebo produzido pelas glândulas sebáceas. Ele irá fazer parte do filme lipídico da pele e evitar a perda de água.

Proteção: função realizada pelo pH ácido da pele. O pH da pele saudável da criança e do adulto varia de 4 a 7 (maioria 4,2 – 5,6). Essa acidez protege contra a penetração de microorganismos. Logo após o nascimento, o pH é mais alcalino e vai se acidificando do 3° para o 4° dia de vida. A estabilização definitiva do pH ocorre a partir do 1° mês de vida.

Pele do prematuro

Prematuros nascem com a pele mais fina. Ela vai amadurecendo após o nascimento em contato com o ambiente gasoso (e não líquido como no útero) e com a abrasão constante (pelas roupas, por exemplo). Na 2a ou 3a semana de vida já se torna equivalente à do bebê nascido a termo. São algumas diferenças da pele do prematuro:

  • Espessura da pele mais fina (camada córnea mais fina e permeável): maior perda de água pela pele, maior risco de infecções e penetração de agentes tóxicos causadores de irritações a alergias
  • Glândulas sebáceas ainda em desenvolvimento: maior perda de água pela pele
  • Menor camada gordurosa: menor controle de temperatura, maior propensão ao trauma superficial

Sabonetes

A água não remove todas as impurezas depositadas sobre a superfície da pele. Resíduos de alimentos, fezes e saliva possuem componentes gordurosos em sua composição, sendo removidos apenas com sabonete. Segundo alguns estudos a água remove somente 65% do total da sujeira.

Os sabonetes recomendados para banho são aqueles com pH próximo ao da pele (ácido, entre 4 e 7, maioria 4,2 – 5,6) e com o mínimo de conservantes. É contraindicado o uso de sabonetes alcalinos e com perfumes ou corantes alergênicos.

Curiosamente, sabonetes neutros têm a capacidade de aumentar o pH da pele em 1,0 e essa alteração persiste por 60 minutos. Em recém-nascidos essa alteração pode persistir por mais de 24 horas, provocando modificações na barreira natural que protege e pele.

Sabonetes líquidos são preferíveis aos em barra vários motivos:

  • Mais higiênicos: as barras ficam contaminadas com microorganismos da pele
  • Maior poder hidratante e emoliente: permitem inclusão de substâncias na composição que as barras não permitem
  • Menos abrasivos: esfregar uma barra pode irritar a pele sensível
  • pH ácido: o melhor que se consegue de um sabonete em barra é o pH neutro

Sabonetes Turma da Mônica e Johnson’s em barra, por exemplo, têm pH 10 (muito alcalinos). Líquidos têm pH 5,6-5,8 (ácidos como a pele saudável).

Extraí de um artigo científico essa tabela que compara o pH dos sabonetes infantis. Observe que mesmo alguns que contém expressões como “pH neutro”, “pH balanceado” ou “dermatologicamente testado” apresentam pH acima da faixa esperada. Aqueles com pH acima de 7,0 são contra-indicados.

sabonetes-liquidos

Entre aqueles mais recomendados pelos dermatologistas estão o Mustela Dermo-Nettoyant e o Cetaphil Dermopediatrics. Esse último é na verdade um Syndet (“synthetic detergent”), sabonete fabricado a partir de componentes sintéticos e não sabão. Syndets costumam ter pH ligeiramente ácido e provocar menos irritação na pele. O inconveniente deles está no custo elevado, sendo no entanto preferível para crianças com dermatite atópica.

sabonetes

Banho: recomendações

Em resumo, o banho deve ser de no máximo 5-10 minutos, evitando o uso de substâncias que removam a camada lipídica da pele e que alterem substancialmente o pH. A temperatura da água deve ser próxima à corporal, em torno de 37°C. E o sabonete deve ser aplicado suavemente com a mão, diretamente sobre a pele, e depois removido com água sem muita fricção.

Hidratantes

Pode parecer estranho que se recomende hidratar a pele do bebê tão macia… No entanto, acredita-se que a barreira cutânea só esteja completamente funcionante a partir de um ano de idade. Apesar de não estar provado que os hidratantes previnam as infeções no recém-nascido, eles protegem o extrato córneo e parecem ter o potencial de ajudar no amadurecimento e reparo das agressões à barreira cutânea. Nosso hábito de banhos diários, danificando a barreira, apenas reforça essa indicação.

No inverno o banho fica mais quente, aumentando o risco de desidratação da pele. No verão, o sol, os ambientes secos pelo ar condicionado, a água da piscina e da praia também ressecam a pele. A hidratação estaria, assim, sempre indicada.

Bebês com a pele seca são mais propensos a desenvolver dermatite atópica, um dos problemas mais comuns entre os pequenos. São lesões avermelhadas, que descamam e surgem pelo corpo, podendo produzir coceira (ou pior: se a criança coçar e arranhar, pode ser uma porta de entrada para bactérias).

Os produtos hidratantes não devem conter perfumes ou corantes alergênicos. Nos primeiros meses de vida, isso pode ser um gatilho para o sistema imunológico, provocando alergias respiratórias ou da pele.

O melhor momento para aplicação do hidratante seria após o banho, justamente para reparar o dano da barreira que ele provoca.

Entre aqueles recomendados pelos dermatologistas que estão liberados para uso, segundo os fabricantes, para bebês recém-nascidos estão: Mustela Hydra Bébé, Cetaphil Dermopediatrics, Umiditá infantil, Lipikar Syndet. A partir de 3 meses pode ser usado o Cetaphil Restoraderm (versão para portadores de dermatite atópica). E entre aqueles liberados para uso a partir dos 6 meses de idade estão: Neutrogena Hidratante Norwegian, Fisiogel e Eucerin pH5.

hidratante-0-6-meses
Hidratantes para bebês de 0 a 6 meses
hidratante-maiores-6m
Hidratantes para bebês acima de 6 meses

 

Óleos

São substâncias que fazem um filme de proteção na pele, diminuindo a perda de água. Diferem dos hidratantes (umectantes), que agregam molécula de água e penetram na pele, deixando-a mais hidratada. Em resumo, diferente do que a maioria das pessoas acredita, os óleos (emolientes, lubrificantes) impedem a desidratação da pele, mas não hidratam.

Os óleos podem ser usados de diversas formas:

  • Em uma massagem
  • Sobre os hidratantes (aumentando a duração do efeito hidratante)
  • Na pele antes do banho (evita a perda do conteúdo lipídico da pele durante o banho)
  • Podem ser também usadas algumas gotas de óleo na água da banheira (também minimiza a perda durante o banho)

Quando usados em grande quantidade os óleos podem obstruir o ducto de saída das glândulas sudoríparas e provocar miliária – a brotoeja. Os produtos para bebê não devem conter perfumes ou corantes alergênicos, como o óleo de massagem Mustela e o Johnson’s para recém-nascido.

oleos

Observação: Post com participação especial do Dr Daniel Fernandes Melo, marido e dermatologista.