Queda dos dentes de leite

criancas

As crianças começam a ganhar os dentinhos de leite quando bebês, em média entre 6 e 10 meses de idade, e até os três anos vão possuir 20 dentes de leite. Esses dentes são semelhantes em estrutura, mas diferentes no tamanho e formato em relação aos dentes permanentes. É somente por volta dos 5 a 7 anos que os dentes de leite começam a dar lugar aos permanentes.

A queda dos dentes de leite pode deixar as crianças orgulhosas da nova fase ou envergonhadas por ficarem banguelas, dependendo de como a situação for encarada. É recomendado agir naturalmente, explicando que estão crescendo e apontando amiguinhos na mesma situação.

Pode arrancar?

O processo de queda do dente acontece e forma natural, com a reabsorção de sua raiz pelo dente que está crescendo para ocupar seu lugar. Ele vai amolecendo e muitas vezes cai durante a alimentação ou escovação.

É comum a criança ficar incomodada com o dente amolecido porque a sua mobilidade atrapalha na hora de comer. Se o dente estiver bem mole e a criança quiser puxar levemente ou pedir ajuda pros pais pra arrancar, isso não será um problema. Do contrário, não se deve forçar a situação. O dente vai cair com ou sem ajuda.

OBS: A velha técnica de amarrar um fio dental no dente e prender na maçaneta da porta e bater não deve ser incentivada. Ela pode quebrar a raiz do dente e provocar muita dor.

Há algum tempo percebi que meu filho estava muito incomodado com um dente que tinha ficado muito mole. Ele estava sem coragem de puxar, então dei a ele uma maçã pra morder, sem nenhum alarde… Problema resolvido no ato.

Ordem de queda

Podem existir alterações nessa ordem, mas em geral os primeiros a cair são os incisivos centrais inferiores, aos 5-7 anos. Depois, os incisivos centrais superiores, seguidos pelos incisivos laterais. Geralmente os dentes inferiores caem antes dos superiores. Somente após os 9 anos costumam cair os outros dentes, começando pelos caninos. Depois se seguem os pré-molares, que caem até os 12-13 anos (do primeiro pré-molar inferior até o segundo pré-molar superior, conforme figura abaixo).

dentes-queda

OBS: Os primeiros molares permanentes nascem aos seis anos de idade, atrás do último dentinho de leite (segundos pré-molares), sem que haja a troca.

Particularidades

O dente permanente pode nascer logo depois da queda do dente de leite ou até um mês depois. Após a queda, pode haver um pequeno sangramento. Uma bolinha de algodão ou gaze embebida em água gelada pode ser dada para a criança morder por uns 5 minutos. A escovação deve ser feita normalmente após a queda de um dente.

Situações em que devemos procurar um dentista:

  • o dente permanente nasceu sem que o de leite tivesse caído
  • o dente de leite caiu mas o de leite não nasceu (mesmo após um mês da queda)
  • a criança tem mais de 7-8 anos e não nasceu nem caiu nenhum dente

E se engolir?

O perigo maior seria se a criança aspirasse o dente. Se a criança engolir sem perceber não tem problema: do mesmo jeito que entrou o dente vai sair, quando a criança for no banheiro.

Se o dente cair durante o sono, a tendência é ele sair da boca e não ser engolido.

E não custa dizer: não há relatos de crianças que aspiraram dente dormindo.

 

Congelamento e obtenção de células-tronco

As células-tronco obtidas da polpa dentária são de origem, conjuntiva e têm potencial teórico de regenerar células ósseas, de músculo, gordura e cartilagem. Elas não têm potencial de regenerar células sanguíneas e tratar leucemia (como as do cordão umbilical).

Atualmente as células tronco obtidas da polpa dentária estão sendo testadas com sucesso em cirurgias para lábio leporino, recuperando tecidos dentários. Outros usos ainda estão em fase de pesquisa – como a recuperação de tecido neuronal no tratamento de doença de Parkinson e Alzheimer. Até onde os estudos avançaram, elas não têm se mostrado boas para regenerar tecido muscular.

O ideal é que antes do dente cair, a criança faça uma consulta para ser examinada e fazer uma radiografia que ajude a decidir qual dente será usado. Quando ele começar a ficar mole, o local deve ser bem higienizado e o dente deve ser extraído em casa ou pelo dentista e ser acondicionado em tubo com soro fisiológico (para a polpa não secar) e refrigerado. Deve ser transportado em recipiente com gelo.

Encontrei empresas que fazem o serviço, como o Centro de Criogenia Brasil, que oferece o congelamento da polpa dos dentes de leite desde 2013. De acordo com os valores atuais custa em torno de R$ 2.600 e é preciso pagar uma taxa de manutenção anual de R$ 450 (um pouco menos caro que o congelamento do cordão umbilical).

No entanto, acredito que deve ser incentivado o congelamento do material em bancos públicos, da mesma forma que as células tronco do cordão umbilical. Além da questão do custo, alguns tipos de células-tronco não precisam de compatibilidade e poderiam ser usadas em várias pessoas. A Rede BrasilCord reune vários bancos públicos que armazenam sangue do cordão umbilical, mas não encontrei nenhuma informação a respeito do congelamento público de células da polpa dentária.

O Projeto Fada do Dente é um projeto científico que visa estudar e compreender os mecanismos existentes por trás do autismo infantil. Ele recebe doações de dentes de leite de crianças autistas acondicionados como já descrito acima.

OBS: Vale lembrar que, se a criança precisar extrair um dente permanente por algum outro motivo, ele também pode ser doado – sua polpa contém células-tronco do mesmo jeito.

Doação

Universidades aceitam receber dentes para uso em pesquisa ou ensino de anatomia. O dente extraído deve ser acondicionado em um recipiente com soro fisiológico, dentro de uma caixinha de isopor com gelo.

Deixe o seu comentário!