Xampus infantis e cuidados com os cabelos

criancas

Como escolher um  bom xampu adulto e infantil do ponto de vista dermatológico? Quais as melhores marcas infantis atualmente? Qual a maneira correta de fazer a lavagem?

pH dos xampus

Assim como nossa pele, o pH dos cabelos e do couro cabeludo é ácido (em geral pH 5-5,5), visando formar uma barreira cutânea à penetração de microorganismos. OBS: veja maiores explicações no post de sabonetes.

Em ambiente mais ácido (pH inferior a 4) os cabelos absorvem cargas positivas, ácidas (H+), do meio. Em ambiente mais alcalino (pH superior a 6-7), os cabelos absorvem cargas negativas, alcalinas (OH-), do meio.

O ideal para um xampu é manter o pH normal dos cabelos e couro cabeludo (pelo menos pH entre 4 e 6). Em situações extremas (pHs muito ácidos ou muito alcalinos) a fibra capilar incha e força a abertura das cutículas. Leva, assim, ao dano dos fios, sobretudo se a exposição ao produto for frequente (ou por tempo prolongado, como no caso das tinturas, alisamentos, etc).

Xampus infantis para não provocar ardência nos olhos, precisam de um pH mais elevado. Segue tabela com a média de alguns pHs.

cópia de ph

Conclusão importante: xampus infantis têm vantagens que os tornam adequados para uso infantil mas não são apropriados para uso adulto devido ao seu pH elevado.

Composição dos Xampus

Xampus são compostos de substâncias DETERGENTES, CONSERVANTES e outros componentes, sendo os dois primeiros aqueles em que devemos prestar maior atenção.

DETERGENTES (OU SURFACTANTES)

São agentes de limpeza responsáveis por eliminar a sujeira e a oleosidade do couro cabeludo. Também são responsáveis por formar a espuma. Podem ser:cópia de Sem Título

Assim, dependendo do grupo de detergentes presentes na fórmula do xampu, ele vai ter um pH mais ácido ou básico.

A população brasileira está habituada a considerar mais eficazes produtos que fazem muita espuma. Mas os ativos que conferem mais espuma em geral são os sulfatos, que são aniônicos e geram maior dano capilar.

Observação: Os sulfatos são também os detergentes mais alergênicos (seguidos dos sulfonatos), mas não são produtos considerados cancerígenos (vide parecer da ANVISA).

Porém, sulfatos não têm somente um lado ruim. Xampus para cabelos oleosos e para limpeza profunda costumam ser ricos em sulfatos, que, por serem fortes detergentes, favorecem a eliminação da sujeira, da oleosidade e dos metais pesados (presentes em algumas tinturas).

Desta forma, é saudável intercalar xampus com maior propriedade de limpeza (mais aniônicos e com sulfatos) com outros xampus condicionantes (catiônicos).

CONSERVANTES

Visam a impedir o crescimento de microorganismos no shampoo. Ao mesmo tempo que evitam a proliferação bacteriana no produto (e risco de infecções), eles são os principais causadores de alergia no couro cabeludo. Os mais encontrados na bula são: parabenos, liberadores de formol (quartenium-15, DMDM hidantoína, e outros nomes feios que não vou colocar aqui) e MCI/MI (metilcloroisotiazolinona e metilisotiazolinona, sabidamente alergênicos). Atualmente já existem xampus com outros conservantes, hipoalergênicos.

Observação: suspeita-se que altas concentrações de parabenos possam aumentar o risco de câncer de mama. Um estudo com antitranspirantes sugeriu a associação, mas não houve confirmação científica em testes posteriores – Fonte: INCA). A ANVISA libera cosméticos para comercialização com concentração máxima de 0,8% (total de parabenos). No entanto, cerca de 90% dos cosméticos contém parabenos, que caem na corrente sanguínea e poderiam chegar a uma dose tóxica se acumulados ao uso de outros produtos que contenham a substância.

Outra observação: o formol e seus derivados também tem sido relacionados ao aumento de risco de câncer (leucemia), embora nenhum estudo tenha associado diretamente ao uso em cosméticos (Fonte: INCA).

OUTROS COMPONENTES

  • Água, corantes, perfumes, vitaminas, óleos.
  • Sais: conferem viscosidade e não são associados a malefícios ao fio ou à saúde (a onda de xampus “sem sal” não faz muito sentido).
  • Silicone: envolve a cutícula do fio formando um filme protetor. No entanto, pode acumular-se e deixar os fios pesados, além de ser um derivado do petróleo e, por isso, poluente.
  • Filtro solar: absorve os raios UVB, protegendo o cabelo dos danos causados pela exposição solar.
  • Pantenol: pró vitamina B5 que adere ao fio e atrai moléculas de água que exercerão a função de hidratar o fio. Espessa em até 10% do seu diâmetro normal.

Sobre o rótulo dos xampus: a composição é descrita em ordem de concentração. Logo, o detergente que aparece primeiro é o que está presente em maior concentração. Observe que quanto mais sulfatos, parabenos e outros conservantes houver na fórmula, maior o potencial de causar alergias.

Xampus infantis

Sem Título

O ideal para uso em bebês é encontrar produtos com pouco sulfato (potencial irritante, arde os olhos) e livre de conservantes e corantes alergênicos. Dicas de bons produtos:

  • Johnson’s: possui corantes, mas é livre de conservantes alérgicos e sulfatos (melhor custo-benefício)
  • Baby Dove: livre de conservantes alergênicos e sulfatos, porém possui silicone
  • Mustela: menor perfil alergênico (conservante hipoalergênico, corante natural), embora possua alguns sulfatos, ainda tem a vantagem de não ser testado em animais
  • Weleda Baby: embora possua álcool, um possível irritante, não possui sulfatos nem conservantes alergênicos e ainda tem a vantagem de não ser testado em animais
  • Vyvedas Baby & Kids: embora use muitos conservantes, nenhum está entre os mais alergênicos, não tem sulfatos e também não é testado em animais

Johnson’s e Dove fazem testes em animais.

Alguns produtos para bebês e todos os que encontrei para crianças maiores (para uso a partir de 2-3 anos) possuem substâncias alergênicas. Veja alguns exemplos:

  • Huggies Turma da Mônica: possui sulfatos e conservantes alergênicos (MCI/MI)
  • Granado: possui sulfatos e conservantes alergênicos (MCI/MI, quartenium-15 e DMDM hidantoína)
  • Natura Mamãe Bebê: possui conservantes alergênicos (MCI)
  • Johnson Crescidinhos: tem sulfato e conservantes alergênicos (Quartenium-15)
  • Biotropic: com alguns sulfatos e conservantes alergênicos (MI/MCI)
  • Palmolive Kids: possui sulfatos e conservantes alergênicos (MCI/MI)

Do listados acima, Granado, Natura e Biotropic atualmente não testam em animais. Fonte: SAC das marcas – disponibilizado no site Guia Vegano.

Lavagem

Movimentos circulares, massageando o couro cabeludo com as pontas dos dedos. Pode ser diária até 2x/semana, dependendo do clima e tipo de cabelo (cabelos afro e secos podem ter menos lavagens semanais).

Mito: lavagem diária não provoca queda de cabelo. Nos adultos, uma média de 100 fios caem naturalmente ao longo de um dia (em crianças cai uma quantidade é menor). Os fios que caem durante a lavagem são os que já estão no final de sua “vida”. Cairiam com ou sem a lavagem.

A temperatura da água deve ser idealmente mais fria do que quente. Água quente dilata as glândulas sebáceas estimulando a produção e liberação de sebo, responsável pela maior oleosidade e pelo surgimento de dermatite seborreica. Além disso a água fria diminui e eletricidade estática dos fios e os deixa mais soltos.

No Poo/Low Poo/Co-Wash

Técnica inicialmente desenvolvida para cuidados com cabelos cacheados, crespos, naturalmente mais ressecados, mas que vem sendo utilizada para qualquer tipo de cabelo pela sua tendência mais natural e ecologicamente correta.

No Poo: lavagem sem shampoo, usando a técnica do Co-Wash, uma lavagem com condicionador sem silicones insolúveis em água e sem sulfatos.

Low Poo: lavagem com shampoo suave, sem ou com pouco sulfato, intercalando com dias de Co-Wash.

Para quem tiver interesse, veja os resultados obtidos, como seguir a rotina e dicas de produtos no grupo do facebook: Rotina Saudável Kids.

Deixe o seu comentário!