Disney com crianças: guia para marinheiros de primeira viagem

viagens

Mesmo quem já foi à Disney sem crianças sente alguma insegurança na hora de organizar uma viagem com filhos. Quando ir? Quanto de dinheiro reservar? Como comprar as passagens aéreas, reservar hotéis, comprar ingressos? Como organizar um roteiro com filhos?

Preciso dizer que estou me sentindo muito ousada de escrever esse post. Mesmo já tendo ido à Disney algumas vezes, sem e com filhos, sou muito fã de blogs como Vai Pra Disney, Andreza Dica e Indica e esse resumo não substitui a leitura de outros blogs. Você vai encontrar de tudo lá! Aqui é uma tentativa de organizar as idéias pra quem está começando agora a planejar a viagem.

Quando ir

A melhor época para fugir das filas é fora das férias escolares de verão nos EUA (final de julho e agosto são os piores meses) e grandes festas, sobretudo Natal e Ano Novo. Muitos sites disponibilizam o Crowd Calendar, que mostra a previsão de lotação de cada parque por dia do ano (veja um aqui no Disney Guia). Não acredito que eles sejam totalmente fidedignos, mas o ideal é evitar os picos.

Quanto de dinheiro reservar

Não tenho dicas de agências de viagens, então vou colocar aqui um valor médio dos custos para que você possa comparar.

Atualmente as passagens aéreas estão em torno de R$3000,00-3500,00 o valor cheio para vôo direto. Em promoções, o preço baixa para até 1800,00 mais as taxas.

Os hotéis variam muito, saindo no mínimo R$150,00 a diária (valor do quarto), R$250-350 os intermediários. Resorts Disney partem de U$130,00 (dólares) atualmente. Esses resorts são temáticos e incluem vantagens como transporte para os parques, entre outras.

Quanto aos parques, no caso por exemplo de 7 dias na Disney, 2 dias na Universal, 1 dia no Sea World e 1 dia no Legoland fica atualmente em torno de R$3000,00 por pessoa. Pode variar de acordo com a época do ano e o valor das crianças é quase igual ao dos adultos.

Reserve em torno de U$100,00 (dólares) por adulto por dia e pelo menos metade disso para as crianças.

As passagens aéreas

Prefira sempre que possível vôo sem escalas. Com crianças pequenas a maioria das pessoas relata preferencia por vôo noturno (eu inclusive). Mas atualmente, com filhos já crescidos, tenho tido boas surpresas viajando com eles em vôo diurno – já não dormem tão bem em vôo noturno e se entretêm facilmente durante o dia.

Eu acompanho as publicações do Melhores Destinos, mas há outros sites similares. Gosto também de consultar datas nos sites do Decolar, Skyscanner e eDreams. Uso muito o Decolar para acompanhar as oscilações de preços ao longo dos dias e combinar o melhor preço de ida e volta. Depois pego as melhores datas e vou diretamente no site da companhia aérea comprar a passagem. Evitar intermediários é melhor para o caso de algum problema no vôo (evitando ter que contactar o Decolar, por exemplo, no caso da necessidade de alguma alteração no vôo de volta).

Veja dicas de viagens de avião com crianças pequenas aqui nesse outro post.

A estadia

Uso o Booking para reservar os hotéis, sempre lendo antes as impressões dos hóspedes. Há boas localizações na International Drive, área onde há mais comércio e é possível escolher uma localização intermediária para ficar perto de todos os parques. Há os arredores da Disney, onde se encontram resorts maravilhosos, porém afastados de qualquer comércio e dos outros parques. E há os arredores do Universal Studios, que fica perto também do Sea World e do comércio. Se você escrever na busca do Booking “Universal Studios Orlando“, por exemplo, vão aparecer os hotéis ao redor para você escolher.

São raros os hotéis americanos que incluem na diária o café da manhã, mas a maioria têm restaurantes com café, almoço e jantar. Com crianças pequenas acho muito válido reservar um quarto com mini cozinha, para um jantar rápido ou preparo de papinhas.

É de praxe deixar gorjetas para quem faz a limpeza (diariamente ou no fim da viagem).

Opção mais econômica seria reservar uma casa no Airbnb. Tem a facilidade de ter uma cozinha e pode acomodar muitas pessoas.

O deslocamento

Alugar carro: melhor opção para quem está com criança pequena, com flexibilidade de horário e sem pagar caro. As estradas são ótimas e fáceis de dirigir usando GPS. Lembrar que além do custo do aluguel e combustível, há o custo dos estacionamentos (U$14-18,00).

  • Ponto negativo: há que se pensar que nem todo mundo se sente confortável em dirigir em local desconhecido e que não há ajuda de funcionários para colocar combustível no carro.
  • Observação: levar a cadeirinha infantil ou reservar na locadora. Opcão: RentalCars. Não é necessário ter a Permissão Internacional de Dirigir (PID).

Taxi/Uber: são poucos taxis circulando, só param em pontos específicos e pode ficar mais caro do que alugar carro (pode passar de U$50,00 o trecho). Acho interessante para percursos mais curtos, como uma ida ao mercado e aeroporto (U$60-75,00 o trecho). O Uber é uma boa alternativa por ser mais econômico (menos da metade do preço).

Transfer: opção para quem não quer dirigir. Os horários de ida e volta dos parques são estabelecidos pela empresa e essa falta de flexibilidade pode atrapalhar. Crianças pequenas cansam antes do fechamento do parque, sendo comum quererem sair mais cedo. No site da Mears você consegue simular preços de transfer para o aeroporto e parques.

Hotéis com ônibus: alguns hotéis que fazem transporte para os parques. A maioria tem mais de uma opção de retorno e para todos os principais parques. Ainda fica mais rígido que carro, mas achei a idéia melhor do que o Transfer. Por enquanto, o hotel com mais opções de horários é o Avanti Resort.

OBS: o monorail (que conecta o Magic Kingdom ao Epcot), os barcos (entre Epcot e Hollywood Studios, por exemplo) e os ônibus da Disney podem ser usados gratuitamente para transporte entre os parques.

Os ingressos dos parques

Podem ser adquiridos diretamente no site de cada parque (em dólares, no cartão e à vista) ou em agências de viagens, que parcelam e vendem com valores em reais (IOF menor). Sites como Andreza Dica e Indica e Vai Pra Disney também vendem ingressos. Já usei os serviços e recomendo. Alguns combos com descontos podem ser encontrados na internet. Recentemente encontrei a agência Virazóm e super recomendo – reserva carros, ingressos, hotéis com um excelente custo benefício. Só não recomendo a Decolar porque eles não fornecem os códigos dos ingressos, impossibilitando o agendamento dos FastPass (veja adiante).

Disney: tem 4 parques temáticos (Magic Kingdom, Hollywood Studios, Animal Kingdom, Epcot) e 2 parques aquáticos (Blizzard Beach e Typhoon Lagoon). Reserve no mínimo um dia para cada parque que quiser ir.

Universal: são 2 parques temáticos e 1 aquático (o mais novo parque aquático Volcano Bay). Com crianças há que se ter no mínimo um dia para cada um que quiser conhecer.

Outros parques: os outros principais são Legoland, Sea World, Bush Gardens e ainda o parque aquático Aquática. Um dia para cada, sendo que o Legoland é ideal para crianças menores (até 9 anos acho que ainda curtem bem) e o Bush Gardens é aquele com mais montanhas-russas. Legoland e Bush Gardens são afastados de Orlando e oferecem um ônibus de transporte saindo de Orlando que podem ser contratados à parte a um baixo custo.

  • Shuttle para o Legoland: sai 9h do I-Drive 360 (empreendimento com a roda gigante linda que acende à noite, localizado na International Drive número 8001) e custa U$5,00 por pessoa. Reservar até 11h do dia anterior no telefone 1-877-350-5346 ou site.
  • Shuttle para o Busch Gardens: gratuito se o ingresso já estiver comprado. Informações e reservas no site.

Os “Fura-Filas”

Fast Pass (FP) são fura-filas que a Disney disponibiliza gratuitamente. Eles nada mais são do que reservas de horário que permitem que você entre em uma fila paralela que leva direto à entrada do brinquedo, economizando um tempo enorme. Podem ser reservados até 30 dias antes da data escolhida para estar no parque (ou até 60 dias se você está hospedado dentro do complexo Disney).

Se você se organizar e definir qual dia vai estar em cada parque, poderá agendar 3 FP por dia no site ou aplicativo para celular do My Disney Experience. É necessário criar uma conta com o email e cadastrar os ingressos já comprados. A reserva fica gravada no sistema e basta você passar o ingresso na máquina do funcionário da porta do brinquedo e ele permite que você passe.

Observação: após usar os 3 FP é possível reservar um quarto e assim por diante, nos guichês do parque ou no aplicativo de celular.

No caso da Universal não há Fast Pass, mas existe um Express Pass que dá direito a furar fila de alguns brinquedos selecionados (a maioria deles) uma vez naquele dia. É pago e caro. Como a Universal não costuma ser tão cheia quanto a Disney, o passe só costuma valer a pena se for alta temporada. Pode ser comprado pela internet (mais barato) ou na bilheteria (preço intermediário) ou dentro do parque (mais caro).

Child Swap e Rider Switch

São alternativas para ambos os pais irem a brinquedos com restrição de altura apesar de estarem com seus filhos.

Rider Witch: alternativa da Disney que permite que um dos pais entre na fila do brinquedo, enquanto o outro responsável fica com os filhos em um playground ou vai a outro brinquedo por exemplo, permitindo que este retorne depois sem precisar entrar na fila convencional. Basta se dirigir à entrada do Fast Pass e pedir o Rider Witch. Você vai ganhar um papel de Fast Pass para uso a qualquer momento pelo responsável que ficar de fora.

Child Swap: alternativa da Universal em que todos entram na fila (inclusive as crianças) e no final um responsável entra no brinquedo enquanto o outro pode ficar em uma salinha de TV aguardando com as crianças para fazer um revezamento.

Dia-a-dia com crianças pequenas

Com crianças muito pequenas a melhor dica é manter a rotina durante a viagem, com os horários das refeições e soneca (no carrinho, que é indispensável nesse caso).

OBS: os carrinhos são muito baratos nos EUA e podem ser comprados lá. Nos supermercados há opções de U$20,oo.

É também muito importante não planejar atividade para um dia inteiro. Os parques têm horário variado de funcionamento e a maioria têm shows noturnos. Mas não adianta chegar 9h e achar que o bom humor das crianças vai render até 21h. Ainda mais se a criança dorme cedo. Eu me organizo assim: ou chego cedo e saio cedo, ou chego tarde e saio tarde.

Pegue logo na entrada um mapa do parque e veja quais atividades são imperdíveis pro seu filho. Divida o parque em blocos e faça um de cada vez.

Os parques da Disney disponibilizam o Baby Care Center com microondas, cadeira para alimentação, trocador e alguns itens para compra, como pomadas, lenços umedecidos, fraldas, papinhas (as quais não recomendo). Veja onde ficam no mapa. Há locais semelhantes em todos os outros parques (Universal, Sea World, Legoland, por exemplo). Há pontos de atendimento médico também, que vendem alguns medicamentos para uso em emergências.

OBS: é possível levar várias papinhas de bebês industrializadas (tipo Nestlé) ou potes de papinha caseira congelada na mala despachada. Já fiz isso e chegaram ainda congelados no hotel. As papinhas industrializadas americanas são bem diferentes das brasileiras e não tenho boas experiências para relatar. É possível levar uma pequena quantidade para uso no vôo também.

Alimentação

O ideal é ir já no primeiro dia a um mercado (ex: Walmart, Target, Publix, Whole Foods) e comprar itens de café da manhã, frutas e lanches.

É permitido entrar com alimentos na Disney, inclusive papinhas e comida. Bebidas são permitidas em embalagens de plástico. Universal, Sea World e Legoland permitem somente as bebidas e pequenos lanches (ex: biscoitos, sanduiches), não sendo possível entrar com comida. Todos permitem papinhas para bebê, industrializadas ou não, em pote de vidro ou não.

A Disney não permite, por questões sanitárias, que seus funcionários aqueçam comida trazida de fora do parque. Não há microondas disponíveis para aquecer alimentos, exceto o do Baby Care Center, que é para uso exclusivo dos bebês.

Quase todos os sucos dos restaurantes são artificiais, mas na Disney há carrocinhas de frutas espalhadas em alguns pontos dos parques. Sempre tem banana, maçã e melão, por exemplo. Além disso, há bebedouros em locais específicos.

Grandes refeições são realmente um problema. Menu kids na Disney quase sempre é Mac and Cheese (macarrão com queijo processado), nuggets ou hamburger com fritas. Em alguns raros restaurantes, há arroz ou purê de batatas na composição do prato. Na Universal e outros parques tende a ser ainda pior, sendo mais frequentes os sanduiches, pizzas e Fish & Chips (peixe frito com batatas fritas).

Restaurantes com personagens: experiência muito bacana não pela refeição em si, mas pela pela oportunidade da criança interagir e tirar foto com seus personagens favoritos. Dever ser reservada o quanto antes, a partir de 180 dias do dia escolhido, no aplicativo My Disney Experience (mesmo sem ingresso). Normalmente até uma semana antes você encontra vagas. Veja uma lista completa no Vai pra Disney.

Além dos parques

Se estiver com crianças pequenas, o ideal é intercalar dias de parque com dias livres. Nesses dias livres você vai poder descansar e/ou fazer passeios fora dos parques.

  • Outlets/shopping: os outlets são grandes e não têm uma boa estrutura para receber crianças. O ideal seria ir sem elas, mas se estiver com elas não deixe de ir mesmo assim. Se for para escolher um, escolha o Orlando Vineland Premium Outlet.
  • Disney Springs: complexo de lojas e restaurantes de Disney, com loja do Lego e os restaurantes mais bacanas para os pequenos, o Rainforest Café (temático de floresta, com animais mecânicos e sons de chuva e trovão) e T-Rex (temático de dinossauros, com um parquinho de areia bem legal). OBS: Há um Rainforest Café também no Animal Kingdom.
  • Restaurantes fora dos parques: podem ser reservados mesmo sem ingresso, com alguma antecedência no aplicativo My Disney Experience – a partir de 180 dias antes, mas a maioria com uma semana antes ainda é possível reservar. Exemplos:

OBS: O Gran Floridian, onde fica localizado o 1900 Park Fare, permite uma vista (distante) dos fogos do Magic Kingdom.

  • Chip’n Dale’s Campfire Sing-a-Long: marshmallow na fogueira com Tico e Teco com música couwntry ao vivo, no Disney’s Fort Wilderness. Saiba mais aqui.

  • Disney Boardwalk: um calçadão a beira do lago que conecta Epcot e Hollywood Studios, com restaurantes e artistas de rua, de onde se pode ter inclusive alguma visão dos fogos noturnos do Epcot.
  • I-Drive 360: polo de diversão com restaurantes, a Orlando Eye (roda gigante), a Skyscraper (montanha russa mais alta do mundo) e o museu de cera Madame Tussauds.
  • Universal Citiwalk: passeio na área das lojas e restaurantes, como o Antojitos (mexicano), Bubba Gump (frutos do mar), Vivo Italian Chicken, Emeril’s e Hard Rock Caffe. À noite tem música ao vivo em vários pontos.
  • Outros: shows do Blue Man e Cirque de Soleil, jogos da NBA, Kennedy Space Center (NASA).

No próximo post, meu roteiro com dicas de onde encontrar arroz e purê de batatas nos parques.